segunda-feira, janeiro 18, 2010

Irritada com atraso em obra, prefeitura de SP tenta abafar descobertas arqueológicas

A entrada de jornalistas ou de câmeras está proibida pela Emurb (Empresa Municipal de Urbanização). E os arqueólogos foram advertidos para não darem entrevista. No lugar de exibir os achados que revelam o passado de São Paulo às vésperas de seu 456º aniversário, a prefeitura paulistana prefere silenciar sobre os trabalhos arqueológicos que estão sendo feitos na reurbanização do largo de Pinheiros para receber uma estação de metrô.

"A cidade obedece ao mercado. A modernização de Pinheiros tem o desenho da especulação imobiliária. A reforma não é para a população do bairro. Por isso, é mais fácil desqualificar como caquinhos os objetos encontrados, de clara importância histórica", opina o arqueólogo Paulo Zanettini, sócio de uma empresa de resgate arqueológico e especialista nos sítios paulistanos.

Já foram encontradas louças holandesas, francesas e inglesas, bem como garrafas do século 19, mostrando que a vocação comercial da área é antiga. Mas a única forma de saber isso é passar na calçada esburacada no número 700 da rua Fernão Dias. Lá, espremidos entre tábuas de madeira compensada e os pontos de ônibus para Cotia, dois cartazes contam o que acontece ali.

Os pedestres passam sem parar para ler sobre o aldeamento que os jesuítas fizeram na área até 1640 com os índios guaianás, nem sobre as porcelanas Maastrich ou Sarreguemines usadas pelos habitantes do passado. É fácil ver as placas publicitárias de "compra-se ouro" ou "exame médico demissional" que se espalham pelo largo.

O pano de fundo do ocultamento do resgate arqueológico é o atrito entre a Prefeitura de São Paulo e o Iphan (Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional). Uma denúncia anônima ao órgão vinculado ao Ministério da Cultura fez as obras de Pinheiros pararem em meados de novembro.

Desde 2002, toda a obra de porte em região de potencial histórico deve ser inspecionada por especialistas, assim como acontece com o obrigatório relatório de impacto ambiental. Isso é determinado pela portaria federal 230. Pela extensão e localização, a reurbanização de Pinheiros, que inclui mais de uma dezena de quarteirões, entra facilmente no caso.

A Emurb, por meio de sua assessoria de imprensa, disse que não conhecia essa legislação. A arqueóloga Lúcia Juliani, proprietária da empresa de prospecção A Lasca, diz acreditar que a empresa não agiu errado. "A Emurb achou que não estava agindo mal porque não foi cobrada antes", afirmou.

Um mês depois de parte das obras pararem para o resgate histórico, porém, a prefeitura convocou jornalistas para desqualificar os objetos encontrados, apontando que não passavam de pedaços de ossos, ferraduras e utensílios domésticos dos anos 1950, desgastados pelo tempo e sem valor histórico. O arqueólogo responsável, Plácido Cali, saiu prontamente para desmentir, mostrando achados de dois séculos atrás. E a tendência é achar coisas mais antigas, afinal, a cada 50 centímetros para baixo se recua um século.

"É por desconhecimento que se julga que a arqueologia existe para descobrir civilizações e múmias. Os grandes achados são raros. Nossa função é revelar como era o cotidiano do passado", disse Lúcia Juliani.

Zanettini concorda com ela. "A arqueologia revela a história que foi esquecida, a história das pessoas comuns, não aquela contada nos livros de história, que relata bem só a elite de poder. Os cacos que a gente encontra falam de um cotidiano que as fotos e os textos não revelaram."

E o sítio de Pinheiros foi revelador, com um depósito de garrafas enterradas que apontam a presença por ali de uma taberna do início do século 19.

É sintomático que a revitalização da área queira apagar as pessoas comuns do presente e do passado. O novo desenho do local será elo para o eixo endinheirado que une bairros como Brooklin, Itaim e Jardins ao Alto de Pinheiros, Alto da Lapa e Vila Madalena.

O plano do prefeito Gilberto Kassab (DEM) era inaugurar a primeira parte do novo largo em julho de 2010, mas os arqueólogos acreditam que as escavações podem acabar só no final do ano.

Tendo como pano de fundo as eleições gerais deste ano, há quem veja um embate político no embargo do Iphan. A postura da Emurb de tentar abafar o assunto mostra o tamanho do desgaste que a polêmica causou para a prefeitura, para Kassab e para seus aliados políticos, afinal, a reurbanização de Pinheiros seria inaugurada simultaneamente com a estação de metrô Faria Lima - que deve sair a tempo de ser exibida no horário político dos candidatos envolvidos com a obra.

E na futura praça do largo de Pinheiros não espere referência aos achados arqueológicos. Afinal, a tradição de São Paulo é erguer uma cidade em cima da outra. Quem sabe daqui a 200 anos um buraco no local redescubra um pacote de batata chips, um CD de forró ou um telefone celular que tira fotos. E assim, os que vierem depois de nós saberão como se vivia no longínquo início do século 21.

Após a publicação desta reportagem, a prefeitura paulistana entrou em contato com a redação e afirmou que os objetos mostrados não foram selecionados pela prefeitura e sim pela empresa contratada pelo consórcio responsável pelas obras de reconversão urbana do Largo da Batata. "A informação de que são objetos dos anos 50 nos foi passada por essa empresa, responsável pela análise dos objetos", escreveu a assessoria de imprensa. "A prefeitura tem todo o interesse em entregar no prazo as obras de reurbanização do Largo da Batata. Mas preservar objetos de relevância histórica é de igual importância para a prefeitura", declarou em outro trecho do comunicado.

Notícia originária do UOL.

Marcadores: , ,

2 Comments:

Blogger 9 de junho said...

CARTA ABERTA À POPULAÇÃO E ÀS AUTORIDADES SOBRE O SÍTIO ARQUEROLÓGICO ENCONTRADO NAS OBRAS DO LARGO DE PINHEIROS
A Associação Internacional Anchieta – AIA – Entidade sem fins lucrativos cujo objetivo é difundir, apoiar, incentivar e promover pesquisas e estudos visando despertar o interesse pela obra, o cenário que a envolve, e preservar o legado de Anchieta, vem por meio desta repudiar qualquer tentativa de menosprezar a importância dos achados arqueológicos encontrados nas obras de reformulação do Largo de Pinheiros e imediações, dada a sua importância para a história de nossa Cidade e de nosso País.
Prestes a completar 456 anos, a Cidade de São Paulo, berço da Educação, da Cultura e do Progresso de nosso país não pode ver tratadas com tamanho descaso descobertas de importância histórica, apenas por interesses momentâneos de uma obra de revitalização de uma praça, por maior importância política que isto possa ter neste momento para os interessados em sua inauguração.
Tivesse essa descoberta acontecido em um país europeu ou qualquer outro minimamente preocupado com a preservação de sua história, o local já seria motivo de orgulho de seus cidadãos e das mais respeitosas e cuidadosas ações do Estado para sua correta investigação e preservação.
Maria Thereza Ortale
presidente

contato@aia-anchieta.org

--
Associação Internacional Anchieta
visite nosso site www.anchieta-aia.org
f 55 11 73012214

12:00 PM  
Blogger zealfredo said...

Bom saber...

12:58 AM  

Postar um comentário

<< Home